Loading

A primeira edição da exposição coletiva de fotógrafos organizada pela Galeria Nicoli apresenta trabalhos de quatro artistas, três brasileiros e um italiano, cujas obras passam a fazer parte do acervo.

A heterogeneidade dos trabalhos, que envolvem análises e diversas técnicas, exemplificam a ambição da Galeria em abraçar as mais variadas expressões do meio fotográfico.

Apesar das séries selecionadas para cada artista apresentarem identidades próprias, fruto de trajetórias distintas, é possível identificar entre elas uma proximidade de pesquisa e uma coincidência no foco sobre a natureza e sua relação com o ser humano. Individualmente sólidos, cada um dos ensaios enfrenta a temática fundamental e atual da ligação entre o observador humano e sua percepção da realidade natural na qual habita.

Cesar Fraga traz quatro fotografias em grande formato, impressas especialmente em alumínio, selecionadas de seu livro Empurrando Água, um documentário fotográfico sobre o Brasil do ponto de vista dos navios mercantes e das águas que atravessam. Nas imagens expostas, os elementos líquido e sólido se encontram em um diálogo harmônico através de um olhar que exalta o encontro entre formas e cores.

Cristina Schleder, artista plástica com longa e respeitada trajetória e uma produção que usufrui de varias técnicas e suportes, expõe a série de fotos Diluições, que se aproxima instintivamente da pintura impressionista; retrata a natureza refletida em superfícies liquidas em movimento, na busca da representação de uma espiritualidade que supera o elemento físico e naturalístico de seus sujeitos.

Suely Amorim, fotógrafa em sua primeira exposição em galeria, se utiliza da tecnologia de captação de luz infravermelha. No ensaio Iris selecionado para a Coletiva, Suely Amorim apresenta o Parque do Ibirapuera visto através deste “olho tecnológico”, capaz de superar os limites do olhar humano e nos revelar a natureza invisível que nos circunda.

O italiano Tommaso Protti, fotojornalista premiado internacionalmente e publicado por revistas como National Geographic, New York Times e Le Monde, explora os espaços onde a cidade encontra a natureza, fronteiras difusas, em busca de uma conciliação entre a agressividade da expansão do ser humano e a luta pela sobrevivência do elemento natural.

Giovanni Pirelli, 2016.

Error: Please check your entries!